Edgardo Torres-Caballero, Director General de Mambu para América Latina.
COMPARTIR:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Por: Edgardo Torres Caballero, Diretor Geral de Mambu para as Américas 

O setor financeiro latino-americano está evoluindo rapidamente e desenvolvendo novas oportunidades para bancos e fintechs. No entanto, o desafio crítico do setor reside em como os bancos lidarão com o rápido crescimento e evolução da região, bem como com milhões de pessoas desbancarizadas e conectadas, graças a seus telefones celulares. Segundo a GSMA, a porcentagem da população do continente com acesso a um smartphone é de 76%, mas apenas 45% têm acesso a serviços bancários. Em certos casos, os bancos parecem enfrentar um dilema, não conseguem atender a todas as demandas e devem escolher entre adicionar rapidamente novos produtos e serviços ou serem suficientemente robustos para capturar o maior número possível de clientes. Alguns bancos foram ofuscados por novos players do mercado, como o Nubank, no Brasil, que recentemente fechou uma rodada de financiamento por US $ 400 milhões, aumentando seu valor para mais de US $ 10 bilhões e permitindo o lançamento de suas operações no México e Argentina. Apesar da explosão e da concorrência neste setor, os bancos tradicionais têm um arsenal de vantagens – uma base de clientes sólida, confiança, dados históricos e balanços financeiros positivos – que os posicionam como líderes hoje e no futuro.

“À medida que o ritmo da mudança aumenta, seja devido à inovação, regulamentação ou competição, a vulnerabilidade de um banco aumenta”, diz Bloomberg em um artigo de 2018. A única maneira de os bancos gerenciarem esse risco é gerar processos operacionais mais flexíveis que lhes permitam se adaptar rapidamente a novas formas de serviços financeiros. Em resumo, é necessário contar com mais agilidade para dissipar qualquer medo de ser “grande demais para responder”.

A questão não é escala versus agilidade, mas sim quais instituições adotarão um novo modelo bancário, que seja baseado na nuvem, que incorpora flexibilidade e integração operacional de sistemas independentes e ideais para cada finalidade, permitindo que os bancos criem experiências de serviço modernas e competitivas na era da tecnologia financeira, para evoluir constantemente e responder ativamente à mudanças.

Então, o que torna essa abordagem diferente? Primeiro, reconhece a necessidade de responder rapidamente às mudanças nos mercados, clientes, concorrentes, regulamentações e tecnologias. Uma verdadeira plataforma SaaS permite que os bancos reduzam drasticamente os custos, gerando um centro de tecnologia financeira capaz de atender às necessidades dos clientes através da rápida implementação de sistemas independentes que melhoram continuamente a experiência e liberam o banco de principais lançamentos disruptivos.

O estudo Agility at Scale, publicado pela Deloitte em 2018, fornece as seguintes recomendações com base em sua experiência com clientes em todo o mundo no setor financeiro e em outros setores.

“Uma metodologia ágil no nível de negócios não pode ser alcançada com mudanças superficiais. É necessária uma mudança estrutural para evoluir com sucesso de uma organização tradicional para outra com equipes multifuncionais que trabalham de forma autônoma e alinhadas aos objetivos estratégicos comuns”.

Em um artigo de 2019, a consultoria internacional indica que os bancos tradicionais presos a sistemas desatualizados e escritos em linguagens de programação obsoletas simplesmente não tinham o nível de agilidade necessário para competir em um mercado digital moderno, onde as demandas e regulamentações dos consumidores podem mudar durante a noite.

A capacidade de organização permite que os bancos coletem e analisem dados para gerar inteligência de negócios que ajuda a otimizar suas atividades de back office, tudo apoiado pelos recursos de uma plataforma criada na nuvem que permite o lançamento de novos produtos a partir de um com rapidez e eficiência.

Em 2019, a Accenture comparou essa estratégia não com o futuro, como esperado, mas com o passado, no qual os bancos eram menores e estavam intimamente cientes das necessidades, gostos, hábitos e comportamentos exclusivos de seus clientes. Ao usar uma abordagem de arquitetura de componentes, os bancos podem não apenas coletar informações sobre essas tendências em uma velocidade sem precedentes, mas também, podem liberar esses dados do confinamento dos silos dos sistemas legados e gerar um “setor de gerenciamento de informações, onde dados e serviços são personalizados para o indivíduo em tempo real”.

No entanto, para um banco tradicional com alto grau de complexidade estrutural, regulatória e processual, obter agilidade em escala requer uma parceria com um sistema e equipamento qualificados, capazes de reduzir custos e recursos operacionais. Eles também devem ser capazes de concluir a façanha em meses, não anos, para começar a colher benefícios na velocidade de 2020.

Isso vai além da imaginação. O Banco Galicia, uma entidade estabelecida na Argentina, lançou recentemente o NaranjaX – seu provedor de serviços financeiros digitais – como uma progressão do Naranja, o maior emissor de cartão de crédito no país com mais de 5 milhões de clientes, com o propósito de alcançar rapidamente 20 milhões de usuários. Enquanto isso, também na Argentina, a Fintech, Ualá, começou a tirar proveito de uma abordagem bancária de arquitetura de componentes para tomar decisões de crédito com base em dados do consumidor e chegou a mais de US $ 800.000 pagos em apenas 10 meses em mercados carentes desse serviço. A hora de aceitar mudanças e projetar o futuro é agora.

COMPARTIR:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

NO COMMENTS

DEJAR UN COMENTARIO